Por que participar de eventos?

Uma das coisas que mais gosto no mundo do desenvolvimento são os eventos, encontros, conferências, etc. Procuro comparecer ao máximo de eventos que eu posso, ressaltando que, no momento de distanciamento social que vivemos, isso se tornou um tanto mais difícil.

Como é algo que sempre me agregou muito, prentendo deixar aqui a minha opinião sobre como isso pode contribuir para sua carreira como desenvolvedor(a).

Pessoas referências

É muito bom estar em um evento qualquer e descobrir que o palestrante é um ser humano, como você. Ele não é um ser iluminado, intocável. Se você chegar para conversar, há uma grande chance de ser muito bem recebido(a).

O fato de um profissional compartilhar o seu conhecimento adquirido, normalmente, ao longo de anos de experiência, não o torna inalcançável. Aproxime-se, faça uma pergunta, cumprimente, você se surpreenderá que por trás daquele microfone existe uma pessoa como você. A diferença, em muitos casos, é que esta pessoa compartilha o que aprende, isso é nobre.

Networking

Estamos em tempos difíceis, de distanciamento social, incertezas, e isso acaba tornando os eventos um pouco mais frios, por assim dizer. Mesmo assim, o networking é essencial. Conhecendo pessoas que tem trabalho parecido com o seu pode ser oportuno em um momento futuro de sua carreira. Sabe aquela história: conheci uma pessoa f0d@ para essa vaga num evento, toma o contato. Pois bem, eu já indiquei pessoas asssim e já fui indicado para jobs assim também.

Sempre existirá algo inédito

É comum em eventos que ocorrem com frequência que os assuntos se repitam, e não há mal nenhum nisso, afinal de contas, não são sempre as mesmas pessoas que frequentam. Eu mesmo já palestrei e nas submissões, propunha diversos temas, mas por alcance, interesse do público ou mesmo temática do evento, acabavam sempre escolhendo os mesmos temas: TDD e Composer.

Mas como eu disse, é comum alguns assuntos chave se repetirem por N fatores, mas isso não significa que nunca há espaço para novidades. Tive a oportunidade de participar da organização de um evento de software livre e entendi que alguns assuntos atraem mais participantes, o que é ótimo para o evento, mesmo que seja repeteco. Mas no meio destes, sempre vai ter o dev ou a dev que nunca palestrou antes e vai estar lá mostrando algo totalmente novo.

Se possível, seja palestrante

Como mencionei no tópico anterior, há eventos mais curtos em que a grade é pensada exlusivamente para atrair mais participantes. Normalmente trazem alguém bem influente na área, como ocorreu em 2018, quando eu faria a palestra de fechamento do PHP Day em Curitiba e fomos surpreendidos com a disponibilidade de palestra de nada mais nada menos que Rasmus Lerdorf. Cedi meu espaço na hora, claro! Não é sempre que temos o Rasmus de passagem por Curitiba. Eu fiquei de palestrante backup, caso alguém faltasse ou não chegasse à tempo.

Mas há eventos que duram mais de um dia, como semanas acadêmicas, fóruns de software livre, dentre outros. Nestes eventos, a grade é bem extensa, e normalmente aí é que abrem-se as portas para novos palestrantes, comecei assim. Num evento de 3 dias, com dezenas de palestras no dia, há espaço para muita gente compartilhar experiências.

Tente, palestrar não e um bicho de sete cabeças. Você sempre tem algo a aprender, mas também tem algo a ensinar, lembre-se disso.

Seja visto(a)

Mesmo que não participe da organização do evento e nem palestre, todos os presentes acabam tendo seu momento de notoriedade, seja em um grupinho conversando ou ainda ganhando um destaque em meio à multidão.

Quando você vai à um evento, está se colocando à vista, colocando sua empresa à vista e isso é ótimo para os negócios. Eu mesmo já virei cliente de empresas que conheci através da camisa do coleguinha no break do evento.

Em outro evento, eu palestrei, um gestor de desenvolvimento teve uma ideia do meu potencial conhecimento e me ofereceu um emprego… as possibilidades são infinitas.

Ideias que surgem, ideias que vem

Além de networking, possibilidades de trabalhos, parcerias e empreendimentos, muitas vezes nos deparamos com situações em que sugere-se um novo pensamento e isso pode vir a se tornar um negócio.

Em 2013 estive em um evento – já contei a história completa aqui – e uma dificuldade na hora do sorteio me deu o estalo para um negócio que se concretizou pouco mais de um ano depois. Além de situações que ocorrem que nos trazem ideias para solucionar um problema, muitas vezes as próprias palestras nos inspiram a criar algo semelhante.

Menu