Programação não se resume a if e else

Vamos lá, este post é na verdade uma crítica a muita gente, incluindo eu. Resolvi escrevê-lo porque me vi em uma situação nas últimas semanas da qual não me orgulho mas pude tirar ótimo proveito e aproveitar pra descer a lenha em um monte de gente que age de forma errada.

 

O problema é o seguinte. Tem muita gente que pensa que saber fazer if e else já é programar, outros que são apenas utilizadores de ferramentas.

Falo isso porque vejo que no meio às correrias que temos em nosso dia a dia chovem informações de gente criando um site simples em wordpress (não desmerecendo a plataforma, me explico melhor daqui a pouco) em apenas algumas semanas de trabalho mas perdem mais horas, dias, semanas e até meses pra resolver um detalhe que não ficou como o cliente queria e isso por que? Porque apenas utilizou a ferramenta e não a estudou e procurou entender o que, quando e como estava sendo feito. E o pior, neste tipo de projeto meu camarada, o “programador” passou longe da programação. Daí vem o título deste post “Programação não se resume a if e else”.

Meu relato pessoal

Estava eu preparando minha apresentação para o grupo de estudos de PHP que formamos aqui em Curitiba e para mim caiu o conteúdo sintaxe básica do PHP e não é que o fera aqui tinha preguiça (ou mesmo não sabia) de entender qual era o limite da sintaxe básica da linguagem, tipo de que ponto até que ponto apresentar… O que resumi disto? Resumi que deveria deixar um pouco de lado minhas aventuras com conteúdos mais avançados como estudo de frameworks, TDD, Composer, Git, Selenium, entre outros e focar mais no que a própria linguagem já fornece e muitas vezes quebramos a cabeça para resolver de forma errada sendo que há muito recurso para explorarmos.

Obviamente que este relato vem de uma sussessão de apertar o passo e sempre querer algo mais mas infelizmente vejo que isto acontece muito por aí, ainda mais com o mercado competitivo como anda onde parece-se que quanto mais ferramentas você conhecer melhor é o seu desempenho.

 

Então agora que já me esculachei tá na hora de fazer alguns apontamentos.

1 – Saber if e else não é programar! Programar é um processo criativo tanto quanto se não mais que qualquer outro processo (design, marketing, publicidade…). Por que isso? Porque pense que você tem uma determinada situação para resolver no ERP de seu cliente, meu amigo, não é um if ou else que  vai gerar o relatório exatamente da maneira que seu cliente quer com todas suas nuances, você ter dados é uma coisa, agora ter informações requer uma grande criatividade.

2 – Depois do if e else o caminho é longo. Erroneamente vejo que as empresas taxam níveis de programadores baseados por tempo, exemplo: de 1 a 3 anos o nível é junior, de 3 a 5 é pleno e acima de 5 é senior. Caramba que métrica a poha da empresa tem pra medir isso??? O tempo??? Ok, vamos lá, o tempo não quer dizer tudo, existe sim a questão de que um caminhoneiro com mais horas de estrada possui mais experiência, sim, isso é um fato. Agora concorda comigo que se o caminhoneiro com mais horas de estrada for um relaxado outro caminhoneiro com muito menos horas pode ser excelente comparado à ele? Pois bem,no mundo da programação isto é muito mas muito mais fácil de se encontrar do que nas estradas. Conheço programador que tá há quase dez anos no mercado e que tem a capacidade de uma ameba. Reforçando, não é o tempo que vai lhe transformar em um bom programador é VOCÊ!

3 – Não seja apenas um utilizador de ferramenta. O mundo está assombrado por esse tipo de gente, o sobrinho faz sites utilizando dreamweaver e gerando os htmls pela própria ferramenta. Isto faz ele realizar sua entrega de forma extremamente rápida mas e aí, quando seu cliente pedir alguma alteração? Como o sobrinho vai mexer na caca que ele mesmo fez??? O grande erro que vejo em muitos lugares é utilizar ferramentas prontas ou que o esforço seja o menor possível mas quando o cliente vem com suas frescuras (e isso sempre tem pois o cliente nunca sabe o que quer) a curva de desempenho cai a quase 0 (zero) levando de semanas a meses de dores de cabeça e desentendimentos. Não teria sido mais fácil perder umas senanas a mais pra fazer algo pensado ao menos, não que isso vai inibir o uso de ferramentas prontas de terceiros, mas pelo menos dará tempo de entender o que, como e quando a ferramenta faz. Muito melhor algumas semanas a mais com uma boa análise do seu problema do que alguns meses a mais de refações e mais um cliente desapontado .

4 – Não reinvente a roda. Contraditório ao apontamento 3 não? Em partes. Aqui quero falar de gente que aprendeu a programar ontem e quer se achar o bam bam bam. Não reinvente a roda, vejo uma multidão que mal saiu das fraldas (em programação) e já tá querendo criar seus frameworks, Webservices, APIs… cresça! Aprenda com os grandes, se um framework (vários hoje na verdade) já está no mercado com milhares de utilizadores e contribuidores por que o seu código seria melhor que o deles? Por que seu serviço de consulta a CEPs seria melhor que dos correios? Por que que sua nova rede social seria melhor que o Facebook? Duro não? Não. Real. Tudo bem que alguém sempre tem que dar o primeiro passo senão nunca teremos coisas novas, obvio, mas primeiro amadureça sua forma de programar, aprenda com quem tem mais experiência que você, sugue informações destas pessoas que estão ali de graça para responder sua pergunta (se bem colocada), seja humilde pois tem gente muito melhor que você e não fica se achando.

5 – Entenda qual é seu lugar. Se você faz parte de algum fórum, por mais aberto que ele seja com certeza deve ter alguma regra, respeite-as e não reclame se  bons contribuintes nunca opinam em seus posts, talvez seja hora de elevar seu nível não?

6 – Eleve seu nível. Se tem uma coisa que tá dando raiva de ver é grupos sérios de estudos, de trocas de ideias serem invadidos por um bando de gente sem noção. Poxa, tudo bem que a ideia de um grupo é auxiliar em dúvidas de seus participantes mas não vamos avacalhar também, se dê o trabalho de pelo menos procurar resolver seu problema. Vejo muita gente hoje com uma dor de barriga que ao invés de ir no banheiro vai perguntar em um grupo de discussão o que pode ser. Vai a merda. O dia que seu nível elevar com certeza bons contribuintes lhe darão atenção pois saberão que ao menos você tentou fazer algo para resolver seu problema e não apenas se deparou com um erro deu print e saiu perguntando em todo que é lugar o que aconteceu.

 

Bem fazia tempo que estas opiniões estavam guardadas e resolvi soltar o verbo hoje pra desabafar um pouco, lembrando que tudo que está aqui é estritamente minha opinião pessoal sem influência e muito menos sem a ideia de ofender ninguém.

 

Não seja só mais um programador, não seja somente um resolvedor de problemas, seja um criador de soluções. Pois como já mencionado, programação não se resume a if e else.

 

 

 

 

Menu